Com média de 40 casos da doença por ano, Ubatuba intensifica campanha de “busca ativa de Tuberculose”

Iniciativa vai de 28 de outubro a 11 de novembro

As equipes de estratégia de Saúde da Família (ESF) de Ubatuba intensificam, a partir do dia 28 de outubro, a busca ativa de casos de tuberculose. A iniciativa faz parte da Campanha Nacional, que busca ampliar o acesso da população ao tratamento da doença.

Apesar de ser pouco mencionada, a tuberculose ainda tem incidência na atualidade. Em Ubatuba, é registrada uma média de 40 casos por ano.

Trata-se de uma doença provocada pelo Bacilo de Koch – um microrganismo que ataca, principalmente, os pulmões, mas que pode ocorrer também em outras partes do corpo, como ossos e rins.

Atenção

Tosse por mais de três semanas, acompanhada ou não de febre no final do dia, suor noturno, falta de apetite, perda de peso, cansaço ou dor no peito – são sinais de alerta para a tuberculose.

Pessoas que apresentem esses sintomas devem buscar a unidade de saúde mais próxima de sua residência o quanto antes. No período da Campanha, que vai até o dia 11 de novembro, os pacientes que apresentarem alguns dos sintomas indicados, poderão procurar, também, os Prontos Atendimentos (PA) do Ipiranguinha e da Maranduba ou o Pronto Socorro da Santa Casa para efetuar a coleta do escarro e a realização do exame. Os resultados saem em curto prazo e permitem iniciar o tratamento rapidamente.

“Diminuir a incidência da doença só é possível com a identificação dos doentes o mais rápido possível e com o início imediato do tratamento correto”, alertou o médico infectologista, Fernando Bergel.

Transmissão, prevenção e tratamento

A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa pelo ar. Quando alguém tem a doença no pulmão e espirra, tosse ou fala, pode espalhar as bactérias  – que podem ser aspiradas por outra pessoa. A doença não é transmitida ao compartilhar talheres, copos, toalhas, por uso de banheiros nem por contato físico (beijos e abraços).

A luz solar mata as bactérias e a ventilação as dispersa, por isso, ajudam a prevenir a doença. A vacina BCG, recomendada para menores de um ano, protege contra formas mais graves da doença.

Ao ser diagnosticado, o paciente deve iniciar o tratamento e mantê-lo por um período mínimo de seis meses, tomando os devidos cuidados diariamente, sem interrupção, mesmo que os sintomas tenham desaparecido.

Fonte e foto: Secretaria de Comunicação / PMU

Comentários

Comentários


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/portalcaicara/www/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: